Na terça-feira, 17, os vereadores aprovaram o reajuste dos seus subsídios em 7,31% (I-GPM), passando de R$ 9.388,62 brutos para R$ 10.024,00.
O texto aprovado é retroativo a 1º de março de 2020.
A proposta partiu da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Viamão e assinada pelo vereador-presidente, Dilamar de Jesus (PSB), e extensiva também para a todos os funcionários do legislativo (CC, ativos, inativos e pensionistas).
O Diretor Geral da Câmara, Geraldinho Filho, defende a revisão dos salários dos vereadores e funcionários justificando que a Constituição no seu Art 37, inciso X , associada a Lei Orgânica do Município permite a atualização anual.
O presidente do PDT de Viamão, Advogado Alexandre Godoy, é contrário ao projeto. “Muito embora exista previsão legal para revisão, é imoral pelo momento de calamidade que vivemos. Uma vergonha”, afirma Godoy.
A presidente do Simvia, Maria Darcila Tinoco, entende que a atualização dos salários dos vereadores está fora do contexto, comparando com o aumento do salário mínimo nacional que ficou em 4,41%.
Votaram contra o projeto os vereadores Evandro, Guto Lopes, Jessé, Pox, Adão e Guguzinho.
O vereador Jessé Mello (sem partido) avisa que seu voto foi contra todo o projeto de aumento por que o índice é quase o dobro da inflação oficial. Francinei Bonatto justificando que a proposta é absurda.
O presidente da CDL, Milton Pires, é contra. justifica que há outras demandas mais importantes do que o próprio aumento do salário deles. É quase um desespeito com a condição financeiro precária do município.