O secretário especial da Receita Federal José Tostes anunciou, na entrevista coletiva do governo federal que detalha as medidas de combate à crise do coronavírus, que o fim do prazo da entrega da declaração de Imposto de Renda foi adiado para o dia 30 de junho. Inicialmente, o prazo se encerrava em 30 de abril.

Segundo Tostes, a medida se deve à prorrogação de demandas e aos relatos de contribuintes que não conseguem obter os documentos necessários para as suas declarações.

— Alguns precisam contatar clínicas, serviços médicos e segurados. Há uma dificuldade momentânea de ter acesso a esses documentos devido ao confinamento — disse Tostes.

Até o momento, foram entregues 8,8 milhões de declarações do Imposto de Renda, 400 mil a mais em relação ao ano anterior. Isso corresponde a 27% das declarações que devem ser entregues.

O calendário das restituições não foi alterado. A secretaria da Receita Federal afirmou que ainda está avaliando a manutenção da entrega do primeiro lote, que sairia no dia 29 de maio – antes, portanto, do fim do prazo final do envio da declaração.

 O secretário da Receita também anunciou a total desoneração, por 90 dias, de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre operações de crédito. A medida terá como objetivo baratear as linhas emergenciais de crédito já anunciadas pelo governo. Com isso, conforme Tostes, o governo deixará de arrecadar R$ 7 bilhões.