A temperatura de 11°C, registrada na madrugada desta segunda-feira (4), não espantou centenas de pessoas que passaram a noite na calçada à espera da abertura da agência da Caixa Econômica Federal, no bairro Santa Isabel, em Viamão. Às 7h, a fila se iniciava na Avenida Liberdade, ingressava na rua lateral e dava a volta no quarteirão. Em torno de duzentas pessoas permaneciam no local, uma hora antes do início do atendimento, previsto para as 8h.

Mais do que o cansaço, Paulo Ricardo Lemos, 57 anos, reclamava do frio. O desempregado enrolou uma camisa velha para proteger o rosto. Nos pés, porém, um par de chinelos reforçaram a sensação gelada.

— Coisa de gaúcho, achei que não ia estar tão frio assim — explicou o homem, na rua desde a meia-noite.

Quando chegou a agência, o viamonense encontrou à frente, também à espera por atendimento, Amarildo Silveira Garcia. Se dizendo semi-analfabeto, aos 42 anos iniciou um curso para jovens e adultos, interrompido devido a pandemia de coronavírus.

— Sei ler, mas não escrever. Dificulta pra conseguir emprego — avalia.

Garcia faz aniversário na próxima quinta-feira (7). De presente, além dos R$ 600 que pretende sacar hoje, gostaria de um emprego. 

— Já fiz de tudo, auxiliar de cozinha, auxiliar de limpeza, auxiliar de padaria e obra. Mas carteira assinada nunca — relembra.

No recuo da rua, à frente do banco, alguns veículos estacionados tinham motorista e passageiros tapados por cobertores. Dormindo, à espera do início do atendimento.

O calendário de saque do auxílio emergencial atende, nesta segunda, os nascidos entre janeiro e outubro. A partir desta terça (5), poderão sacar também aniversariantes de novembro e dezembro.

Uma mudança drástica na arrecadação de sua empresa levou o cozinheiro Alex Fabiano da Saldanha, 50 anos, a dormir na fila. Desde as 21h, ele guarda lugar para a esposa, sócia em uma tele-entrega de refeições caseiras. 

— Por dia, a gente vendia até 60 refeições. Sem aula na UFRGS, que é aqui pertinho, a gente tá vendendo menos de 15 — calcula.

Cada refeição custa R$ 11, além dos R$ 2 extra para custear a entrega.

Fonte: GauchaZH