Em entrevista para a Metropolitana TV na noite desta quarta-feira (19), o pré-candidato à prefeitura de Viamão, Guto Lopes, do PDT, falou sobre seu plano de governo e apresentou algumas de suas propostas.

Na ocasião o pré-candidato falou sobre o sistema de ensino Alfa e Beto que, segundo ele, foi imposto e não discutido com a comunidade escolar. Para o pré-candidato é preciso discutir a manutenção ou a substituição do atual modelo pedagógico. Reafirmou o interesse da criação de escolas de tempo integral na Velha Capital. Disse que é preciso que cada educandário defina sua direção de maneira democrática e que não seja colocado um diretor que reproduza as ideias de um governo. Lopes afirmou que não é possível discutir as questões pedagógicas nas comunidades se o diretor não for escolhido por eles. Para o pré-candidato, a educação tem que ser um meio de desenvolvimento social.

Na questão econômica, Guto Lopes disse que é preciso fazer uma auditoria nas contas públicas de Viamão para que se possa entender a situação da economia. Citou como exemplo o ex-prefeito Ridi, que quando assumiu a prefeitura em 1997 tinha 5 meses de salários do funcionalismo atrasados e ao término de seu mandato entregou a conta fechada.

Guto Lopes disse ter um projeto de atração de empresas para o Tecnopuc, com incentivos tributáveis e mão-de-obra formada por moradores de Viamão.

No quesito campo, Guto disse que Viamão perdeu na última safra o equivalente a 5 mil hectares de arroz e que muito disso ocorre pelo fato do município não ter uma usina pública de beneficiamento de arroz. Viamão, segundo ele, tem a maior produção de arroz orgânico da América Latina. Também falou que o pescado não é beneficiado no município e que, com isso, o pescador vende o produto muito barato fazendo com que o município perca dinheiro.

Na zona urbana o político disse que é preciso fomentar o comercio e não ser inimigo do setor. Para ele, todas as empresas precisam ter o mesmo tipo de incentivo. Afirmou que, com justiça tributária todos ganham.

Para o esporte Guto Lopes disse ser preciso fazer com que o setor seja utilizado como ferramenta de desenvolvimento. Lembrou da antiga Meia-Maratona Cidade de Viamão, e das provas de canoagem no Lago Tarumã.

Na área cultural afirmou que, em conversa recente com o deputado estadual Luiz Marenco, lhe foi informado que para cada real investido no setor o município obtém retorno R$ 1,50. Guto disse que a Secretaria de Cultura não pode ser um cabide de empregos jogado dentro de um ginásio e que é preciso leva-la para o centro do poder.

O prefeiturável disse que a saúde viamonense é o setor menos assistido pelo poder. Afirmou ser preciso otimizar os sistemas de marcação de consulta e de agendamento de exames. Disse que o sistema 0800, apesar de ter tirado as filas das frentes dos postos, criou uma fila invisível que, segundo ele é mais perversa para as pessoas e que é preciso mudar o sistema, sincronizando-o a partir do momento da marcação da consulta.

Lembrou que a saúde do município está estregue à terceirização e que é preciso trazer novos profissionais para o setor. Citou a criação de uma UPA em Águas Claras e de uma Casa da Mulher, frisou a importância do trabalho de prevenção à saúde humana.

O pré-candidato também falou sobre o funcionalismo público municipal. Disse que, caso seja eleito, pretende valorizar os servidores públicos e que deseja trabalhar com um secretariado prioritariamente técnico.

Por fim o pré-candidato, ao ser questionado sobre a destinação do lixo doméstico, afirmou ser necessário ampliar os trabalhos de reciclagem e separação do lixo para que haja diminuição do rejeito domiciliar. Guto Lopes disse não querer atrapalhar o desenvolvimento econômico com a criação de um aterro sanitário, porém é preciso rediscutir o sistema e entender se o gasto com o recolhimento do lixo não pode se transformar em outras formas de arrecadação, como por exemplo na produção agrícola.

 

Assista a integra da conversa conduzida pelos professores Cláudio Martins e Vilson Arruda Filha e pelo radialista Fábio Edgar.